Ficar sentado por longos períodos aumenta o risco de doença cardiovascular | Bem Estar

0
992


O sedentarismo é a quarta causa de morte no mundo. Hoje, as pessoas passam, em média, 7,5 horas do dia sentadas. Há pessoas que chegam a ficar 15 horas sentadas. Ficar sentado a maior parte do tempo aumenta o risco de problemas cardíacos, obesidade, diabetes e até câncer. Além disso, pode causar danos à saúde da coluna e musculatura.

Pesquisas sugerem que se a pessoa ficar sentada por muito tempo, mesmo que faça exercícios, também tem risco de doença cardiovascular. É mais ou menos como fumar. Fumar é ruim sempre, mesmo que a pessoa pratique muito exercício. Ficar sentado também!

O Bem Estar desta terça (2) convidou dois especialistas para falar sobre sedentarismo: o cardiologista e médico do esporte Nabil Ghorayeb e a também médica do esporte e reumatologista Fernanda Lima. Eles explicaram que ficar em pé, mesmo que parado, é melhor que ficar sentado.

A partir de 20 minutos sentado o metabolismo começa a ficar inibido. Ficar em pé a cada 30 minutos já ajuda na ativação. É preciso quebrar o tempo sedentário. Levantar, atender um telefone em pé, tentar se movimentar mesmo que seja no lugar.

E o que fazer? Faça intervalos a cada meia hora, se possível. Opte pelo banheiro mais distante, prefira escada a elevador, busque o cafezinho, encha a garrafinha em um local mais afastado. Se tiver espaço, alongue! Se estiver de folga no sofá, levante nos intervalos e evite longos períodos na inércia.

Síndrome da bunda morta: você sabe o que é?

Bumbum não é só estética. Ele também é fundamental para executar movimentos básicos do dia-a-dia como sentar, levantar, correr e também na prática de esportes.

Os músculos presentes nos glúteos estão divididos em três partes: mínimo, médio e máximo. Eles são responsáveis por movimentos como esticar, girar, abrir e fechar as coxas. “O glúteo é extremamente funcional. Para a prática desportiva, o mais importante é o glúteo médio. É comum um corredor perder performance por deficiência do glúteo médio”, explica o ortopedista e cirurgião de joelho Daniel Rosa.





DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here