Lá vêm os negacionistas questionar onde está o aquecimento global – 07/01/2018 – Marcelo Leite – Colunistas

0
5912


Est virando carne de vaca: todo final de ano agora, parece, o hemisfrio Norte se v castigado por intensas tempestades de inverno, e logo vem um negacionista –como Donald Trump, do alto de sua ignorncia e sua vulgaridade– perguntar onde est o aquecimento global.

Bem debaixo de seu nariz, se ele ainda no estiver congelado –seria o caso de responder, caso a exasperao conseguisse superar a piedade. Isso para no falar do tdio causado por ainda ter de explicar, nesta altura, a diferena entre tempo (variao meteorolgica) e clima (mudana climtica planetria).

Problema: o homem presidente dos Estados Unidos. Nada mais, nada menos. E seu pas at aqui est sofrendo o golpe mais duro da atmosfera enraivecida, os rigores do que j se tornou meme sob o rtulo de ciclone-bomba.

Soa assustador, pois no? H na rede um vdeo engraado do comediante Vic Dibitietto em que ele corre desorientado pela neve perguntando o que um ciclone-bomba: “Se fosse uma tempestade de neve, uma nevasca, eu saberia o que fazer, mas um ciclone-bomba?!”

Rir o melhor remdio. Talvez o nico.

O fenmeno que castiga a Costa Leste dos EUA, levando neve at para a Flrida, surge como uma espcie de furaco de inverno. Uma massa de ar frio vem do norte e se encontra com uma mais quente proveniente do sul. A presso atmosfrica cai, sinal de tempestade e dos ventos que viro.

Se a queda supera 24 milibars em 24 horas, os meteorologistas dizem que se trata de um ciclone-bomba, pela quantidade de energia envolvida. E toda essa energia na atmosfera, vem de onde?

Em ltima anlise, do Sol. Sempre. A radiao de nossa estrela incide sobre a Terra e parte dela fica aprisionada perto da superfcie graas aos gases do efeito estufa, como o dixido de carbono (CO2). A energia solar est por trs de tudo que acontece no clima, da evaporao da gua do mar s piores borrascas.

Um ciclone-bomba como este no indito, portanto pode no ser resultado do aquecimento global provocado pelo homem, mas sintomtico que ocorra na virada de um ano que teve a pior temporada de furaces j registrada. Alm disso, no s a Amrica do Norte que padece com o frio, mas tambm a Europa.

Por l anda fazendo e acontecendo outra tempestade, que os britnicos apelidaram de Eleonora. O nome pegou. Aeroportos fechados, ondas gigantescas em Marselha, ventos de 150 km/h na Frana que chegaram at a Crsega e ali insuflaram incndios florestais.

De novo, nada disso indito. Mas h indicaes de que essas tempestades tendem a se repetir no hemisfrio Norte por conta de alteraes na corrente de jato (“jet stream’) que funciona como um muro em torno do rtico, dificultando a penetrao de massas de ar glido em direo ao sul.

Isso em condies normais, claro. Nos ltimos anos, contudo, o que alguns climatologistas atribuem ao aquecimento global, essa barreira tem sofrido um tipo de bamboleio, lanando lnguas mais extensas de ar frio no sentido da Europa e da Amrica do Norte.

Sim, j vimos esse filme. Foi no ano passado, quando outra onda de frio varreu as terras ricas do norte, e o Observatrio do Clima divulgou um vdeo para explicar o que est acontecendo.

S no v quem no quer.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here