BCAA: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar – Dietas

0
1031


O BCAA em pó ou em cápsula é um dos suplementos mais consumidos entre atletas, praticantes de musculação que visam ganho de massa, definição, hipertrofia e resistência nas atividades físicas exaustivas.

Faz tempo que cientistas e pesquisadores buscam interpretar a relação entre maior consumo de proteínas e melhor desempenho em exercícios de endurance.

Relatos mostram que na antiguidade (500 a. C.), o lutador Milo de Crotona, da Grécia, extremamente forte, atribuía sua alta performance a sua dieta rica em carne.

Mas, foi somente em 1.840, que o fisiologista Von Liebger, iniciou estudos consistentes que sugeriram os aminoácidos como um potencial elemento para ganho de força.

Desde então, pesquisas mais sólidas apontam BCCA’s como responsáveis para vários fins nos setores: fisiculturismo, treino de alta intensidade, hipertrofia e outros.

Em cada dose de BCAA, isolada e sintetizada, podemos suprir o organismo com 3, entre 9 aminoácidos.

Especialmente os “essenciais” (Leucina, Valina e Isoleucina) – não sintetizados com autonomia pelo organismo –  se destacam na fórmula manipulada do suplemento.

O que é BCAA?

O BCAA (Branch Chain Amino Acids), traduzido para português, quer dizer Aminoácidos de Cadeia Ramificada.

São aminoácidos essenciais (o organismo não produz e é proveniente da dieta), correspondem em torno de 35%, da quantidade total de aminoácidos presentes nos músculos.

E, embora as fontes de proteínas completas (como as carnes e grãos, por exemplo) contenham BCAA’s, pesquisas mostram que a suplementação adicional pode ser benéfica.

E, uma entre as vantagens da suplementação desses aminoácidos, reside na sua capacidade de aproveitar ao máximo o período pré e pós-treino.

Durante os exercícios de endurece (alto impacto), o corpo entra em estado catabólico.

Caso o organismo não tenha nutrientes necessários para se abastecer durante o treino, ele passa a retirar os aminoácidos presentes nos músculos para suprir a demanda do corpo por energia.

Nestas condições suprir o organismo com BCAA sintetizada traz ganhos relevantes, como:

Mais energia,
Menos percepção da fadiga,
Melhoras na capacidade de recuperação muscular,

Entre outros.

Composição do BCAA

Aminoácidos essenciais (Leucina,Valina e Isoleucina), vitamina B6, corantes flavorizantes e aromatizantes são os componentes básicos de BCAA’s.

Sumariamente um aminoácido é uma partícula com proteína concentrada.

Na ciência, entendemos como uma molécula orgânica que contém um grupo amina e um grupo carboxila. Alguns aminoácidos também podem conter enxofre.

A forma mais importante dos aminoácidos, os alfa-aminoácidos, que formam as proteínas, têm, geralmente, como estrutura um carbono central (carbono alfa, quase sempre quiral) que se liga a quatro grupos: o grupo amina (NH2), grupo carboxílico (COOH), hidrogênio e um substituinte característico de cada aminoácido.

Os aminoácidos se unem através de ligações peptídicas, formando os peptídeos e as proteínas.

Para que as células possam produzir suas proteínas, elas precisam de aminoácidos, que podem ser obtidos a partir da alimentação ou serem fabricados pelo próprio organismo.

Para que serve o BCAA

Nos anos 80, novas pesquisas realizadas por Eric Newsholme, instigaram a relação sustentável entre o consumo de BCAA e o aumento de Tripufano – aminoácido ligado a proteína – traria ganhos relevantes as pessoas de modo geral.

Especialmente com a elevação da serotonina (neurotransmissor) influenciando assim para melhoras no bem-estar, redução da fadiga muscular e mais disposição para atividades de modo geral.

Outros segmentos proferiram pesquisas sobre o uso de BCAA como progenitor de melhorias para o sistema imunológico. Inclusive com foco em melhorar os índices em desportistas.

No entanto, entre atletas e praticantes de treinos por exemplo, a suplementação com aminoácidos de cadeia ramificada, é tida como extremamente importante.

Leia também:

CREATINA: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar

WHEY PROTEIN: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar

HIPERCALÓRICO: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar

Principalmente na recuperação de lesões musculares, formadas durante treino de musculação e outras atividades de alto impacto.

Isso porque durante o treino, o corpo entra em estado catabólico (o catabolismo muscular é um processo no qual existe um desgaste energético muscular), ou seja, uma degradação da massa muscular.

E se o organismo não tiver os nutrientes necessários para se abastecer durante o treino, ele passa a retirar os aminoácidos presentes nos músculos para suprir a demanda do corpo por energia.

E uma das consequências desta evidência é a perda de massa muscular.

Benefícios do BCAA

Um dos principais benefícios percebidos por quem consume BCAA na forma de suplementos é sua contribuição para o ganho de hipertrofia muscular.

No próprio Encontro Anual da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva do ano de 2009, foram apresentados estudos que destacam este benefício.

Pesquisas com fisiculturistas que consumiram shakes de proteína conjugados com BCAA, surpreendentemente alcançaram performance muscular superior a outros impedidos da complementação com aminoácido essencial.

Leia também:

CREATINA: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar

WHEY PROTEIN: O que é, para que serve, benefícios, função, colaterais, como tomar

No pós-treino, o BCAA, assim como qualquer outro aminoácido essencial, auxilia de forma positiva na síntese proteica, recuperando e aumentando o músculo para o próximo treino.

Também foi verificado que o BCAA melhora os níveis plasmáticos de glutamina para a recuperação pós-treino.

Mas, outros benefícios são eminentes ao uso deste aminoácido, como veremos a seguir:

Melhores níveis na qualidade nutricional de forma geral: mais disposição e ânimo;
Otimização do sistema imunológico: relevante como vimos anteriormente;
Absorção rápida: suplementos com BCAA não são degradados no fígado, após consumidos são assimilados pelo intestino e transferidos para os tecidos musculares;
Evita perdas de músculos: em decorrência da baixa atividade física, dietas para emagrecimento com baixo índice de calorias ou mesmo no aumento da idade;
Torna menos provável a incidência de Dor Muscular Tardia – DOMS (Delayed Onset Muscle Soreness), agravante na performance de atletas;
Prevenir a degradação de proteínas (proteólise) que possam trazer perdas as fibras musculares;
Funciona como antianabólico e anticatabólico: ambas situações que prejudicam o desempenho para quem busca a hipertrofia;
Age como redutor de fadiga física e mental: especialmente a Valina que proage como aminoácido que ultrapassa barreira cerebral, competindo com o tripofano.

Além disso, de acordo com o Journal of International Society of Sports Nutrition (2209), BCAA’s – com protuberância a leucina – age como redutor de apetite, em contrapartida é potente para auxiliar no emagrecimento.

Efeitos Colaterais do BCAA

O excesso de qualquer aminoácido mesmo que ligado a poucas ligações peptídicas pode trazer malefícios.

A quebra no estômago, quando desnaturada, pode causar altas doses de estresse renal, causando desconforto e náuseas.

Se não procurar um médico, o problema pode ficar grave resultando em cálculos renais decorrente do excesso de amônia nos rins.

Entre os efeitos colaterais mais salientes temos:

Dor de cabeça frequente;
Propensão a crises de depressão;
Dificuldades motoras;
Aumento da flatulência e constipação;
Problemas gastrointestinais (irritações);
Náuseas eventuais;
Hipoglicemia (eventualmente).

Além desses, a probabilidade de insuficiência renal é eminente, todavia outros efeitos colaterais podem se manifestar considerando as diferentes reações metabólicas entre indivíduos.

BCAA: para quem não é indicado

Mulheres que estão tentando engravidar, ou que estão grávidas, bem como nutrizes não devem consumir aminoácidos na forma sintetizada.

Crianças, idosos ou portadores de síndromes e patologias sem diagnóstico preciso também devem evitar o consumo de aminoácidos sintéticos.

Igualmente pessoas que estejam consumindo medicamentos como Ledovopa – tratamento de Parkinson – não devem utilizar este tipo de aminoácido.

Outras interações medicamentosas que devem ser evitadas correspondem a redutores de açúcar no sangue; Corticosteróides; Diazoxida e fármacos com hormônios para tratar tireoide

Existem ainda evidências que o uso concomitante de BCAA’s em pessoas que apresentam a patologia “Doença de Lou Gehring”, podem estar expostas ao agravamento da doença.

Neste caso em decorrência de outras complicações como colapso do pulmão, inclusive levando a óbito.

Além dessas situações, alcoólatras e portadores de Leucinose – doença hereditária – podem prejudicar ainda mais a saúde consumindo aminoácidos.

Como tomar BCAA

Suplementos a base de BCAA’s são comercializados em pó, líquidos, injetável ou em cápsulas.

Na versão em pó o consumo corresponde a 0,20g por quilo, distribuídos em uma dose antes do treino e outro igual após.

Em cada cápsulas a quantidade do aminoácido é de 1g, usualmente são indicadas 4 cápsulas ao dia.

Na forma injetável o recomendado são 10ml com aplicação intramuscular semanalmente

O BCAA líquido deve ser administrado conforme o peso da pessoa que irá consumir, sempre observando a quantidade diária indicada.

Que aliás não devem ultrapassar 154 mg/kg diariamente.

Análises rigorosas são necessárias antes de iniciar o consumo, inclusive com avaliação médica.

Para assim compor uma sequência segura de consumo de aminoácidos deste porte.

Quantidade indicada para ingestão do BCAA

A quantidade recomendada do BCAA é variável entre pessoas, pois considera:

A dieta: que pode conter mais ou menos fontes naturais de BCAA’s;
Características pessoais (idade, sexo, estilo de vida, etc.)
Demanda de atividades físicas (mais ou menos intensidade e frequência);
Propósito com a suplementação (clinico, estético).

Pesquisas que usaram BCAA’s, passaram a recomendar espaços de valores diários que podem ser consumidos com segurança, estes entre o mínimo de 0,05 gramas por quilo até o máximo de 0,1 grama por quilo.

Todavia, o ideal é a distribuição anterior e posterior ao treino. Salienta-se que quanto maior a demanda de exercícios maior também será a sugestão de uso, e igualmente na situação contrária.

Quantidades menores também vão surtir efeito, mas para se obter um melhor desempenho e uma recuperação mais rápida, uma dosagem maior será necessária para uma maior eficiência.

O BCAA pode ser ingerido antes do treino para aumentar seu rendimento, depois do treino para interromper o catabolismo e durante o dia para diminuir ao máximo a perda de massa.

Melhor horário para tomar BCAA

O BCAA estimula a produção de insulina – que é um hormônio altamente anabólico – e com sua elevação, propicia uma ótima absorção dos aminoácidos e outros nutrientes, servindo de matéria-prima na construção dos músculos.

Assim, permite uma maior entrada de glicose nas células, dando mais energia durante os treinos.

Por esses fatores citados, entende-se porque o período ideal para se consumir os BCAA’s é antes e depois dos treinos, para pode suprir todas essas necessidades.

Porém, considerando que adultos necessitam de doses relevantes deste tipo de aminoácido, especialmente para fornecer nitrogênio a fim de auxiliar o organismo ciclar alanina e glutamina, existe a recomendação de optar por doses maiores antes dos treinos.

Diferença do BCAA em pó, em cápsula, líquido e injetável

Considerando que não há evidencias científicas para destacar um entre os formatos disponíveis de suplementos com BCAA’s, leva-se em conta a praticidade e a funcionalidade de cada modelo.

Em alguns casos, a versão líquida tem maior performance pela rápida condução e absorção.

No entanto existe a questão do paladar, o que muitas vezes sugere a preferência por cápsulas em relação ao pó.

As particularidades de cada proposta, podem ser avaliadas da seguinte forma:

# BCAA em Pó: maior concentração, mais econômico, podem ser dissolvidas em água, não contém excipientes. Como desvantagem podemos citar sua baixa capacidade de solubilidade, falta de praticidade e levemente desagradável ao paladar;

# BCAA em Cápsula: a maior vantagem é a praticidade, no entanto são adicionados excipientes para dar volume, e ainda existe o risco de perdas na qualidade, além de ser ofertado com valor mais alto que os demais;

# BCAA Líquido: prático e de rápida absorção, porém com concentração do aminoácido discutível, pode perder em qualidade pela exposição prolongada, baixa disponibilidade;

# BCAA Injetável: aplicação intramuscular semanalmente de 10ml, durante 3 meses, e posteriormente manutenção com incisões quinzenais.

Contudo deve ser prescrito por um médico obrigatoriamente.

Perguntas e Respostas sobre BCAA

Tomar BCAA com outros suplementos aumenta os resultados?

Sim! Especialmente com termogênicos, Glutamina, Creatina e Arginina percebe-se melhorias com mais significado, do que com outros do tipo Whey Protein, proteicos ou Albumina.

BCAA injetável é boa opção?

Sim! Primeiro pela praticidade. Pois as injeções são semanais (por 90 dias), sendo que inicialmente a dose é de 10ml. Após este período a recomendação é a aplicação a cada 15 dias.

É indicado para maiores de 18 anos, no entanto requer avaliação previa de um médico ou biomédico.

Tratamento de 3 meses e manutenção a cada 15 dias

BCAA prejudica os rins?

A segurança deste suplemento é superior em relação a outros, isso porque o próprio organismo humano secreta aminoácidos. Porém, o consumo exagerado pode ocasionar em sobrecarga renal.

BCAA engorda?

Não. O BCAA não engorda.

Os BCAAs são aminoácidos responsáveis pela construção muscular e não contém calorias, tão pouco carboidratos em sua composição (elementos que seriam responsáveis para ganho calórico).

BCAA emagrece?

Depende. Ele pode ajudar como agente secundário. O BCAA é apenas um aminoácido.

Para perder gordura em geral, deve-se ter em mente que o gasto energético diário deve ser maior que o valor energético total.

Resumindo, o nutricionista avaliando sua alimentação por questionários em geral vai ter em mente o cálculo de quanto você ingere de calorias diárias, e associar junto com um profissional de educação física um treino que passe quanto em calorias por dia você teve perder.

Tomar BCAA define?

Não. Na verdade, nenhum suplemento ou alimento gera definição. O que traz definição muscular é a associação de treino + boa alimentação, quando o número de massa magra aumenta e o percentual de gordura baixa.

BCAA aumenta somente a massa magra?

O BCAA como qualquer outro aminoácido essencial aumenta sim a síntese proteica.

O que acaba gerando ganho de massa muscular magra. Porém, o ganho de massa magra é decorrente do treinamento adequado com a dieta em geral.

É preciso ciclar o BCAA para não trazer efeitos colaterais?

Não. O BCAA, diferente de hormônios exógenos, não precisa ser ciclado, pois o corpo metaboliza o aminoácido para formação natural de uma proteína.

Onde comprar BCAA?

O BCAA é um suplemento mundialmente conhecido.

Justamente por isso a comercialização é viabilizada em lojas especializadas, farmácias, academias, sites na internet e até em espaços inusitados como supermercados.

Porém, comprar de fabricantes é vantajoso, principalmente para garantir um produto de qualidade, que não ofereça riscos a saúde por conter outros aditivos.

Na Growth Supplements, por exemplo, além da autenticidade, é possível encontrar BCAA em todas as suas versões, com valores muito interessantes, que chegam até 40% a menos que lojas convencionais. Clique aqui e confira!

Esperamos que o post tenha ajudado você a sanar suas dúvidas!
Passe essas informações adiante, compartilhe! 

Referências Bibliográficas

Blomstrand E, Celsing F, Newsholme EA. Changes in plasma concentrations of aromatic and branchedchain amino acids during sustained exercise in man and their possible role in fatigue. Acta Physiol Scand 1988; 133: 115-21

Blomstrand, E.; Andersson, S.; Hassmen, P. A.; Ekblom, B.;  Newsholme, E. A. Effect of branched-chain amino acid and carbohydrate supplementation on the exercise-induced change in plasma and muscle concentration of amino acids in human subjects. Acta Physiologica Scandinavica, v.153, n. 2, p.87-96, 1995;

Rogero, M. M.; Tirapegui, J. O. Aminoácidos de Cadeia Ramificada, Balanço Protéico Muscular e Exercício Físico. Nutrição em Pauta, v.83, p.28-34, 2007;

Rossi, L.; Tirapegui, J. O. Implicações do sistema serotoninérgico no exercício físico. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v.48, n.2, p.227-233, 2004.

apareceu primeiro em Dicas de Treino

?>





DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here